la recherche de l’identité y alteridad

Algunos términos de alteridad (Cordoba) e as relações de oposição entre insiders e outsiders (annatvm UFMG) estão presentes em todos os filmes e parecem  apontar na direção de uma temática transversal:la recherche de l’identité (Ca Foscari). Algumas marcas linguísticas desse aspecto aparecem em alguns apelidos: 

Los momios (en Machuca);  la pequeña momia (Anna); cara de frutilla, pituco (Gonzalo).

Os nomes e apelidos dos protagonistas também permitem conjecturar sobre o tema. 

Mauro, filho de pai judeu, mas não educado na tradição judaica, é chamado de goi (gentio)  por Shlomo, que ao vê-lo fazer xixi em uma planta, percebe que o menino não tinha feito o briz (ou brit milá- a circuncisão); Mauro se irrita quando é chamado de Moshele (Moisés), o trazido pelas águas, de origem desconhecida. Ninguém lhe explica nada.

Juan recebeu esse nome em homenagem a Juan Domingo Perón, mas a avó, antiperonista, recusando-se a aceitar que o neto tenha o nome do capitão, prefere tratá-lo carinhosamente por pollito ; Juan passa a se chamar Ernesto no reencontro com os pais que regressam de Cuba, em homenagem ao comandante argentino Ernesto (el Che) Guevara ; afetivamente, ele é também chamado pelo pai de changuito, que conota um regionalismo argentino. Pedro Machuca tem o seu pré-nome traduzido  em inglês pelos colegas e pela professora; na escola e na casa de Gonzalo ele é  Peter. E Accio (dal latino accire – fare venire; Accio è pure un incatesimo di appello di Harry Potter...sì, le parole e i nomi viaggiano… ) ; Anna também descobre parte de sua identidade de família quando entende o significado do sobrenome paterno De la Mesa...

Access: 
session

Commentaires

Esse tema parece-lhes pertinente para um ensaio ou artigo? Ou quem sabe uma unidade didática sobre marcas linguísticas que remetem a aspectos interculturais, ideológicos e políticos?

Quelle identité pour les enfants des parents engagés en politique, les enfants en exil ou les enfants qui vivent sous une dictature ? La construction de l’identité est paradoxale par exemple dans le film Infancia Clandestinal, Juan se présente à l’école comme Ernesto ou il fête son anniversaire à une date autre date. 

Bonjour Azadeh,

En mi opinion debe ser muy dificil como situacion para un nino de tener que hacerse pasar por otra persona. En la pelicula Infancia Clandestina vemos muy bien como el nino sufre constante el echo de tener que hacerse pasar por otra persona. El ejemplo mas claro es cuando empienzan a cantarle ' Feliz cumpleanos' en plena clase. Asi mismo pienso tambien que el nino vive esta situacion como un infierno constante.

Pienso que cualquier persona que vive o que vivio esta situacion quedara marcada de por vida. 

Ótima proposta! Seria possível falar em 'identidade de transição'? Vejo muito essa crise em escritores que tem a língua francesa como oficial, mas são tem outra cultura. Exemplo: Maryse Condé. Temos identidades construídas entre duas culturas. No caso dos filmes, chamei de identidades de transição devido às rebeliões e revoluções que as crianças presenciaram. 

Olá Casmurro! Muito interessante o termo que você emprega para definir essa condição "em trânsito" e talvez também "em transe"... Parece que o tema foi discutido entre o grupo de Córdoba. Particularmente acho que renderia um bom artigo; se faria uma análise do léxico sob uma perspectiva intercultural? Adoraria colaborar! smiley